Arquivo de Dezembro, 2010

Filmes Portugueses entre os 25 melhores do ano, para os críticos norte-americanos

O estranho caso de Angélica

Aquele querido mês de Agosto

Se depender de Richard Brody, crítico de cinema da prestigiosa revista americana The New Yorker, a cinematografia emergente do momento é a portuguesa! Na lista dos 25 melhores filmes do ano, feita pela revista New Yorker, consta 4 filmes portugueses: em O estranho caso de Angélica“, de Manoel de Oliveira, em 10ºAquele querido mês de Agosto“, de Miguel Gomes, em 11º “Ne change rien“, de Pedro Costa, e em 15º “A religiosa portuguesa”, de Eugêne Green, uma co-produção luso-francesa. Para os mais curiosos aqui fica a lista completa da New Yorker.

Ne change rien

A religiosa portuguesa

Numa outra lista dos 25 melhores filmes, feita pela revista americana Salt, estão 3 filmes portugueses: em 12º “Ne change rien“, de Pedro Costa, em 15º “Singularidades de Uma Rapariga Loura“, de Manoel de Oliveira, e em 22º “Aquele querido mês de Agosto“, de Miguel Gomes.

Singularidades de uma rapariga loura

Filme Português é considerado o melhor filme do ano, em França

Adriano Luz e Maria João Bastos

O Prémio Louis Delluc, que distingue o melhor filme francês do ano, foi ganho pela produção luso-francesa “Mistérios de Lisboa“, realizado pelo chileno Raul Ruiz. “Mistérios de Lisboa“, adaptação do romance com o mesmo nome de Camilo Castelo Branco, já tinha sido distinguido no Festival de San Sebastián, Concha de Prata para melhor realizador, e na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, Prémio da Crítica.

Esta distinção reafirma a qualidade desta produção nacional, ainda em exibição nos cinemas. Em França o filme continua a cumprir o seu percurso encontrando-se em exibição em cinco salas de cinema de Paris e, por todo o país, dezenas de cidades acolhem a obra do cineasta chileno. Em Portugal, o filme encontra-se em exibição em Lisboa , no Cinema King. “Mistérios de Lisboa” será exibido no Cine-Teatro S. Pedro, em Abrantes, no dia 22. Em Janeiro, será a vez de Faro, Portimão e Sesimbra assistirem a este premido filme do realizador chileno.

Dom Roberto

Dom Roberto, um filme de Ernesto de Sousa

YouTube Preview Image

Dom Roberto“, a única longa-metragem de José Ernesto de Sousa, estreou a 30 de Maio de 1962 no cinema Império. O filme foi seleccionado para o Festival de Cannes, em 1963, onde recebeu o prémio: Menção Especial do Júri do Melhor Filme para a Juventude.

Sinopse:
A vida miserável de João Barbelas (Raúl Solnado), um vagabundo sonhador, a quem os miúdos alcunham “Dom Roberto”, por exibir fantoches. Conhece Maria (Glicínia Quartin), rapariga com passado triste, julgando inocentemente ter arranjado habitação para ambos. O amor, a alegria de viver… Porém, a felicidade é traiçoeira: João e Maria perdem a casa que nunca for a deles, mas conservam a esperança e a ternura, embora a fome continue a persegui-los.