O Barão

O Barão, um filme de Edgar Pêra

“O Barão” – Estreia Nacional no dia 20 de Outubro de 2011

Sinopse:
Baseado na novela homónima de Branquinho da Fonseca e no conto “O Involuntário”, do mesmo autor, “O Barão” retrata a vida de um barão, ditador e caciquista, arrogante e controlador, misógino e cruel, uma personagem draculesca raramente vista no cinema português.

Ficha Técnica:
Realização: Edgar Pêra
Argumento: Luísa Costa Gomes e Edgar Pêra
Produtor: Ana Costa
Ano: 2011
Género: Drama
Duração: 105’

Elenco:

Nuno Melo (Barão)
Marcos Barbosa (Inspector)
Leonor Keil (Idalina)
Marina Albuquerque (Professora)
Paula Só (Avó)
Vítor Correia
Miguel Sermão
Jorge Prendas (Mestre Alçada)
Rogério Rosa (Criado da Taberna)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Arquivado em: EstreiasFilmes

Comentários (5)

Trackback URL | Comentários RSS Feed

  1. Roterdão diz:

    “O Barão” acabou de passar no Festival de cinema de Roterdão. Bem recebido pelo público. Edgar Pêra apresentou e respondeu a perguntas não deixando colar o filme ao passado. Se o cinema português frequentemente tem representações artificialmente teatrais, este é um filme com excelentes representações dos dois principais personagens que nunca deixa de ser cinema. O filme em si vive dos jogos e da liberdade teatral que o fantástico e o absurdo nele permitem conjugar. Mais não conto para não estragar.
    No final é estranho como há público que não percebe que tudo é ficção, mesmo os antecedentes.

  2. Rogerio Rosa diz:

    Adorei fazer de”criado da taberna” no filme ” O Barao”

  3. […] final dos prémios atribuídos ao Cinema Português, onde o grande vencedor foi o filme “O Barão“, de Edgar Pêra, distinguido com 15 prémios. E onde, mais uma vez, referencia o […]

  4. […] Filme: América, de João Nuno Pinto O Barão, de Edgar Pêra Sangue do Meu Sangue, de João Canijo Viagem a Portugal, de Sérgio […]

  5. José Luís diz:

    Estou plenamente convencido que os actores são de óptima qualidade e não é por aqui que os filmes portugueses não despertam o interesse do público. Os directores como aliás quase todos os nossos empresários são de PÉSSIMA QUALIDADE e é por esta razão que os nossos filmes são intragáveis. Começo a perceber porque o nosso Ministério da Cultura não está mais na disposição de financiar filmes da treta.

Coloque um Comentário



Pode criar uma imagem para mostrar com o seu comentário Gravatar.